Home Brazil Glenn Greenwald entrevista Marina Silva, candidata à presidência da Rede

Glenn Greenwald entrevista Marina Silva, candidata à presidência da Rede

SHARE

Marina Silva disputa sua terceira eleição para a presidência da República. Neste ano – concorrendo pela Rede, partido que fundou em 2013 – sua candidatura está empatada no bloco dos segundos colocados, disputando ponto a ponto a preferência dos eleitores com Ciro Gomes, do PDT, o petista Fernando Haddad e o tucano Geraldo Alckmin. Em seu discurso, ela defende alianças programáticas e a articulação política em torno de suas propostas – seu programa de governo é marcado por ações em defesa da mulher, das minorias, da sustentabilidade e das questões ambientais.

Sua posição, no entanto, tem sido mais bélica do que sua retórica. Em 2014, Marina Silva seria candidata à vice-presidência na chapa de Eduardo Campos, do PSB, mas o plano foi interrompido pela morte do candidato em um acidente de avião em agosto daquele ano. A tragédia fez com que ela própria se candidatasse pelo partido de Campos, em uma eleição marcada pela polarização, ataques e o segundo turno entre Dilma Rousseff, do PT, e Aécio Neves, do PSDB, em que Marina declarou voto no tucano e rompeu com o passado petista. O apoio ao impeachment de Dilma, em 2016, selou definitivamente o afastamento com o partido no qual ela começou sua carreira política, ainda nos anos 1980.

Com uma trajetória extraordinária – ex-seringueira, alfabetizada aos 16 anos, mãe de quatro filhos, ex-senadora e ex-ministra –, Marina Silva há anos se posiciona como uma alternativa política ao PT e ao PSDB. Nesta entrevista, ela falou sobre as contradições entre seu posicionamento público e suas ações em momentos críticos no cenário político brasileiro, sobre educação e homofobia, aborto, direitos das mulheres, bancada evangélica e Israel e Palestina.

Assista acima e leia na íntegra:

(A transcrição foi editada para adequar o conteúdo e ficar mais clara.)

GLENN GREENWALD: Boa tarde, candidata. Muito obrigado pela entrevista. Duas semanas atrás, no debate presidencial, você criou um momento bem dramático quando confrontou Jair Bolsonaro diretamente, denunciando ele especificamente por ensinar aos brasileiros que a violência é uma solução para os problemas do país. Na semana passada, Bolsonaro sofreu um ataque violento. Claro, esse foi um crime bárbaro, e a única pessoa responsável é o agressor que usou a faca. Mas você acredita que uma violência assim é um resultado inevitável de uma campanha que glorifica a violência como uma solução para problemas políticos?

MARINA SILVA: É o resultado de uma visão política que valoriza mais o conflito, a cultura do ódio, da polarização, do que o debate. Valoriza mais o embate do que o debate. Essa violência começou em 2014, só que era ainda a violência política, verbal. Eu fui vítima de um processo violento de desconstrução em que a mentira foi usada. A desconstrução da minha biografia foi feita pela candidata Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores, juntamente com seu vice, Michel Temer, e o seu marqueteiro corrupto, João Santana. Só que a violência começa com palavras, depois ela vai para o fato, para o ato. O que aconteceu agora é resultado dessa violência que vem sendo cultivada na política na forma de palavras…

Mas você acha que…
… na forma de desconstrução de biografias.

Mas você acha que as críticas que você recebeu em 2014 são parecidas com o ataque violento que o Bolsonaro sofreu?

É que quando você começa dando lugar à mentira, ao ódio, à desconstrução de biografias, o passo seguinte é esse: a violência de fato, a violência pra tentar eliminar fisicamente o objeto ao qual você está se contrapondo. E foi isso o que aconteceu agora em 2018. Uma boa parte das pessoas consentiram com a violência política, com a mentira, a difamação. Ficaram alguns coniventes e outros omissos. E eu dizia: não se pode ser conivente com esse tipo de coisa.

Agora em 2018, isso foi para um patamar inaceitável, que é o de transformar aquilo que é dito em palavras em ato. Foi a morte da vereadora Marielle, foram os atentados contra a caravana do presidente Lula, o atentado contra o ônibus de militantes do presidente Lula e, agora, um ataque ao próprio Bolsonaro.

Brazil's presidential candidate for the Brazilian Social Democratic Party (PSDB), Aecio Neves (L), and former presidential candidate for the Brazilian Socialist Party's (PSB), Marina Silva, attend a campaign meeting in Sao Paulo on October 17, 2014. Neves lost to Brazilian President Dilma Rousseff in the first round almost two weeks ago, but opinion polls now show him in a statistical dead heat with her ahead of the October 26 run-off -- making Silva's backing vital. AFP PHOTO / NELSON ALMEIDA (Photo credit should read NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

O apoio de Marina Silva a Aécio Neves no segundo turno nas eleições de 2014 rompeu, de vez, sua relação com o PT e sua militância.

Foto: Nelson Almeida/AFP/Getty Images

Então vamos discutir 2014 e a questão da corrupção, porque, na eleição presidencial em 2014, você disse para os seus 22 milhões de eleitores que eles deveriam votar em Aécio Neves no segundo turno. E eu sei que você disse várias vezes que se você soubesse naquela época o que você sabe agora sobre o Aécio, você não teria apoiado ele. E claro, depois da Lava Jato, a gente sabe muito mais sobre o Aécio e muitos outros políticos do que sabia naquela época. Mas, em 2014, antes de você apoiá-lo, você não sabia de nenhuma evidência que mostrasse que Aécio era corrupto?

Da forma como apareceu na Lava Jato, em relação ao Aécio, em relação à Dilma, em relação ao Temer, em relação ao próprio presidente Lula, nenhum brasileiro sabia. E a minha posição é a mesma: se eu soubesse, jamais teria apoiado Aécio Neves, nem Dilma Rousseff, porque, como eu disse, ambos usaram dinheiro de caixa dois. Infelizmente, numa eleição em dois turnos, você tem que tomar uma decisão. Agora, se tivesse as informações que tenho hoje, jamais teria apoiado. Nem um, nem outro.

Até porque – é muito interessante – eu é que encaminhei o pedido para que o senador Aécio Neves fosse investigado pelo Conselho de Ética em relação às acusações que estavam sendo feitas pela Justiça e pela própria gravação do envolvimento dele em corrupção com a JBS. Mas o PT é quem fez uma carta para que Aécio Neves não fosse afastado da sua função de senador quando o Supremo pediu para ele ser afastado.

‘Eu declarei o meu voto. Isso não significa endossar absolutamente nada.’

É, mas candidata, desculpe-me, porque minha questão é alguma coisa um pouco de frente. Eu entendo que agora você sabe muito mais sobre a corrupção de Aécio do que sabia em 2014. O que eu estou perguntando é: no momento que você endossou o Aécio em 2014, você sabia que ele era corrupto?

Não sabia.

Não sabia nada sobre isso?

Não tinha as informações que tenho hoje pela Justiça.

Mas candidata…

Hoje são informações trazidas pela Justiça, com comprovação da Justiça, com uma gravação. Não são apenas acusações de período eleitoral.

Mas em julho de 2014, muitos meses antes de você endossar Aécio, foi a público um artigo com a manchete “Governo de Minas fez o aeroporto em terreno de tio de Aécio”, informando que um aeroporto foi construído perto do terreno da família do Aécio para beneficiar o político. E também em 2006, a Polícia Federal confirmou a lista de Furnas, que mostrou que vários tucanos – Geraldo Alckmin, José Serra e, também, Aécio Neves – teriam recebido milhões de reais de caixa dois para apoiar a campanha. Você não sabia nada disso quando endossou o Aécio em 2014?

Em primeiro lugar, não foi um endosso. Não é verdade que foi um endosso. O que eu fiz foi com base numa declaração de que ele iria apoiar as políticas sociais do “Bolsa Família”, do “Minha Casa, Minha Vida”, todos os programas sociais que são importantes para mim. Eu declarei o meu voto. Isso não significa endossar absolutamente nada disso.

Mas o seu voto era para o Aécio?

Sim. Como ficou de conhecimento público.

Eu quero entender um pouco mais sobre sua posição atual sobre a eleição de 2014. Eu entendo totalmente que se você soubesse tudo sobre o Aécio que agora sabemos, não teria apoiado ele. Mas também você não teria apoiado a Dilma, teria ficado neutra? Isso está correto, a sua posição?

Sim.

‘A Dilma, o Temer, o Aécio, com dinheiro roubado de caixa dois, fraudaram a eleição.’

Então, vamos comparar o que sabemos sobre o Aécio com a Dilma. Independentemente do que você pensa sobre a corrupção da Dilma em 2014 – caixa dois, Petrobras, pedaladas – agora ouvimos gravações com o Aécio exigindo milhões de reais em propinas e também considerando matar uma testemunha – seu próprio primo – para silenciá-lo. Se você soubesse tudo isso sobre o Aécio em 2014, como poderia ficar neutra? Não teria feito todo o possível para impedir que um bandido assim entrasse no Palácio do Planalto?

Qual era a alternativa que nós tínhamos?

Brazilian President and candidate of Brazilian presidential election for the Workers Party (PT) Dilma Rousseff (L) and Marina Silva, a candidate for the Brazilian Socialist Party (PSB), attend their last TV debate in Rio de Janeiro, Brazil, on October 2, 2014. The general election will be held on October 5, 2014. AFP PHOTO / YASUYOSHI CHIBA (Photo credit should read YASUYOSHI CHIBA/AFP/Getty Images)

Marina Silva e Dilma Rousseff protagonizaram um primeiro turno marcado por ataques em 2014.

Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images

O nível da Dilma é parecido?

Você acha que a alternativa era a Dilma? Bilhões e bilhões desviados da Petrobras! Você acha que a alternativa era a Dilma? Milhões e milhões desviados de Belo Monte! Você acha que a alternativa era a Dilma? Milhões e milhões desviados dos fundos de pensão! É por isso que eu estou dizendo, depois da Lava Jato, que o povo infelizmente sofreu uma fraude. Foi uma fraude eleitoral. A Dilma, o Temer, o Aécio, com dinheiro roubado de caixa dois, fraudaram a eleição. Quem estava fazendo uma eleição limpa era eu, que não tinha caixa dois, que não tinha dinheiro de corrupção. Infelizmente, o povo brasileiro ficou sem alternativa.

Em 2014, você era a vice do Eduardo Campos. Agora, depois da morte dele, tem evidências mostrando várias formas de suborno, lavagem de dinheiro, caixa dois… Você acredita agora que o candidato com quem você concorreu na mesma chapa naquela eleição era corrupto?

A Justiça está fazendo essa investigação.

Mas você tem uma opinião sobre isso?

Eu tenho uma opinião.

Qual é a sua opinião?

Que, como ele está morto e não tem como se defender, que a Justiça conclua o seu trabalho. Diferentemente de qualquer outra pessoa que está viva respondendo por seus atos, o Eduardo agora está morto. E, se tiver problema, todos os responsáveis devem ser punidos. Agora, o Eduardo já foi punido, porque não tem… Aliás, não tem como puní-lo. Ele está morto e não tem o compromisso com absolutamente nada de corrupção.

Eu fui apoiar o Eduardo Campos, porque foi feita uma articulação política pelos grandes partidos, principalmente pelo PT, para que eu não pudesse sair candidata, para que o meu partido não fosse aprovado. Naquela oportunidade, eu tinha 26% das intenções de voto quando negaram o registro do meu partido e era exatamente para evitar que eu conseguisse me eleger. Naquela situação, por ter compromisso com a agenda da sustentabilidade, eu levei as minhas propostas ao Eduardo Campos para que ele se comprometesse com elas. A minha aliança com o Eduardo foi uma aliança programática, em cima de ideias, de propostas. Infelizmente, aconteceu uma tragédia e, se ele cometeu erro, se o partido dele cometeu erros, isso deve ser investigado. Os que estão vivos devem ser punidos. E eu não tinha nenhuma informação de que Eduardo Campos pudesse estar envolvido em qualquer coisa referente ao seu avião. Isso veio à tona depois da sua morte.

Mas, como jornalista, eu analisei a evidência pública sobre o Eduardo Campos e formei uma opinião sobre se ele é corrupto. Você também analisou essa evidência e formou uma opinião sobre se o candidato com quem você concorreu na mesma chapa quatro anos atrás era corrupto?

Eu estou formando essa opinião a partir dos autos e estou esperando o veredito da Justiça, porque Eduardo não está vivo. Se ele estivesse vivo, ficaria mais fácil chegar a essa conclusão, porque eu não faço política com leviandade, não faço política apenas para ganhar voto. Eu faço política com base em coerência e não é para poder ganhar voto que agora eu vou pegar uma pessoa que está morta, que não está aqui para se defender, e chegar a um veredito apressado só para poder salvar a minha própria pele.

SAO PAULO, BRAZIL - OCTOBER 5: Brazilian candidate for President Marina Silva speaks during a press conference at the Brazilian Socialist Party on October 5, 2014 in Sao Paulo, Brazil. Marina Silva had 21% of the votes and will not move to the second round against the current President of the Republic, Dilma Rousseff and Aecio Neves. (Photos by Victor Moriyama/Getty Images)

Silva em uma coletiva de imprensa em outubro de 2014 depois de perder o primeiro turno da eleição com 21% dos votos.

Foto: Victor Moriyama/Getty Images

Você tem sido ferrenha em sua opinião sobre o Lula, falando várias vezes que ele é corrupto, que a condenação dele é justificada. Gostaria de saber sua opinião sobre Geraldo Alckmin. Você falaria a mesma coisa sobre o Alckmin? Tem evidência de que ele é corrupto, criminoso, de que ele também deve ser preso?

Eu estou dizendo o tempo todo que o presidente Lula já está pagando pelos seus erros e que as lideranças do PSDB, do MDB e de outros partidos, como têm foro privilegiado, estão ficando impunes. Eu estou dizendo que não quero dois pesos e duas medidas. O Geraldo Alckmin, aliás, fez a mesma coisa que a Dilma. O processo dele foi parar no TSE, porque é uma forma de não ir para a Lava Jato. Quando eu digo que o PSDB e o PT acabam agindo do mesmo jeito no quesito corrupção, são contra a Lava Jato, usam as mesmas artimanhas, é porque eu não quero usar dois pesos e duas medidas.

O presidente Lula cometeu erros e está pagando por eles. Numa democracia, a gente não pode ficar tripudiando do preso, mas também não é em função de você gostar ou não de uma pessoa que você vai passar a mão na cabeça. Erros foram cometidos, têm que ser corrigidos e a melhor forma de corrigi-los é num processo que seja assegurado o mais amplo e legítimo direito de defesa. E isso aconteceu. Infelizmente, no Brasil, boa parte das lideranças políticas perderam-se no caminho.

Mas tem uma questão bem específica que eu gostaria de saber sua resposta. Eu não estou perguntando sobre erros, estou perguntando sobre crimes e, para mim, se não me engano, você tem uma opinião de que o Lula é um criminoso que deve ser preso, que a condenação dele é justificada. Eu gostaria de saber se você acha a mesma coisa sobre o Geraldo Alckmin. Não sei se o PSDB é um partido que cometeu erros, nem se Geraldo Alckmin, pessoalmente, é corrupto, é um criminoso.

Eu estou dizendo que os casos de corrupção do Alckmin infelizmente não chegaram a um veredito final, porque ele está escondido atrás do foro privilegiado. O presidente Lula tem um veredito final. O presidente Lula passou por um amplo processo de defesa e um julgamento em segunda instância. O Alckmin cometeu corrupção no seu governo, mas ainda não tem um veredito final. Quem vai dar o veredito final é a Justiça. Eu nunca abri a minha boca antes do veredito final para fazer acusação ao Lula. O que eu estou dizendo é que estou me atendo à ação da Justiça.

‘Eu defendo a criminalização do caixa dois. E é interessante que nem o PT, nem o PSDB, nem o MDB defendem isso.’

A Justiça, os autos estão mostrando que o Alckmin, o Aécio, o Padilha, o Temer, o Moreira Franco, o Collor, todas essas pessoas cometeram crimes de corrupção. Mas ainda não foram julgadas, porque estão atrás do foro privilegiado. E isso é crime. É crime! Mas precisa ser julgado e para isso é preciso acabar com o foro privilegiado, e eu defendo o fim do foro privilegiado. Defendo que acabe essa ideia de que caixa dois não é crime. Eu defendo a criminalização do caixa dois. E é interessante que nem o PT, nem o PSDB, nem o MDB defendem isso que eu defendo.

Depois da eleição de 2014, o debate político mais importante no Brasil foi o impeachment da Dilma Rousseff, que você apoiou. E eu sei que você não apoiou o impeachment só da Dilma, mas também do Michel Temer. Mas todos nós sabemos que isso não aconteceu, só a Dilma sofreu impeachment. Se você soubesse, em 2016, que só a Dilma ia ser impeachmada e Temer ia ficar no poder, você teria apoiado o impeachment?

Eu não tenho como fazer essa ilação [dedução]. Eu tenho como agir em cima de fatos. O Temer merecia ser impeachmado tanto quanto a Dilma. E eu defendi, ato contínuo, que eles fossem cassados na decisão do TSE. Porque, na minha opinião, os dois eram faces da mesma moeda; praticaram juntos os mesmos crimes contra a Petrobras, em casos graves de recursos públicos. Infelizmente, quem defendeu o Temer e a Dilma juntos foram o PSDB e o próprio PT, porque era impossível separar um do outro. Não tinha como condenar o Temer e absolver a Dilma; não tinha como absolver a Dilma e condenar o Temer. Então eles se juntaram para essa impunidade. Eu me mantive coerente. Eu era a favor do impeachment, era a favor da cassação, mas isso não dependia da minha vontade exclusiva.

Depois desse impeachment você acredita que a situação política aqui no Brasil melhorou ou piorou? Tem mais ou menos corrupção em Brasília depois desse impeachment da Dilma que você apoiou?

Eu diria que eles continuam com os mesmos problemas de corrupção. Tanto a Dilma quanto o Temer. E quem está fazendo a diferença nem seria a Dilma, nem seria o Temer, é a Lava-Jato que tá fazendo a diferença. A operação Lava-Jato é que tá desmontando os sistemas criminosos de corrupção nesse país, apesar de ser o tempo todo bloqueada, sabotada pelos governos que estão aí, tanto do MDB quanto anteriormente do PT.

A cassação teria sido o melhor caminho, porque a gente teria eleito um governo de transição, legitimado pela sociedade, com base em um programa. É isso que poderia ter ajudado o Brasil a não ter aprofundado cada vez mais esse desgoverno. A Dilma e o Temer ganharam juntos, dizendo que não existia problema no Brasil. O Brasil já foi o país do pleno emprego; hoje tem 14 milhões de desempregados. Quem fez isso? A Dilma e o Temer.

Mas três meses antes da votação no Senado para cassar a Dilma, todos nós ouvimos o Romero Jucá explicando o real plano do impeachment: não era para tirar o Temer e a Dilma juntos, mas para tirar Dilma e deixar o Michel Temer, especificamente para impedir a investigação da corrupção. Depois que você ouviu o que foi o real plano do impeachment – impedir a investigação da corrupção e empossar o Michel Temer como presidente da República – você reconsiderou seu apoio ao impeachment?

Eu queria que fosse cassada a Dilma, que fosse cassado o Temer pelo TSE. E eu não advogo pela ideia de que deixar a Dilma e o Temer seria melhor para o Brasil. Assim como não era bom para o Brasil deixar o Temer. O melhor caminho era ter cassado pelo TSE, não passar por cima das evidências, verificar as provas de que houve dinheiro de corrupção, caixa dois. Houve um crime na eleição de 2014 e foi grave. A Dilma e o Temer ganharam as eleições com base no dinheiro desviado da Petrobras, na maior parte. E isso fica claro nos depoimentos que foram feitos pelo próprio marqueteiro da presidente Dilma e tantos outros. Nem Dilma, nem Temer continuariam sendo a solução. O melhor caminho era uma nova eleição.

Mas você não sabia que a intenção do Congresso com o impeachment não era o que você queria, mas, sim, dar poder para o Temer, o PSDB e o MDB para impedir a investigação? Você não acreditava nisso mesmo depois de nós ouvirmos a gravação do Jucá falando exatamente disso?

Mas é que você não pode me responsabilizar pelos aliados da presidente Dilma. O Romero Jucá era o principal aliado da Dilma, era um líder da Dilma. Quem botou o Temer na linha sucessória da Dilma não fui eu. Quem botou como seu sucessor, seu colega de chapa, que ganhou as eleições mentindo junto com ela, com dinheiro da corrupção foi a própria Dilma. Eu acreditava que o melhor caminho era cassar a chapa, ter uma nova eleição, legitimar um novo programa de transição para que nós pudéssemos chegar à eleição de 2018 com um governo de transição. Nunca advoguei nem pela Dilma nem pelo Temer.

Mas você acreditava naquela época que isso ia acontecer?

Eu estava trabalhando por isso.

Mas você acreditava?

Eu acreditava que a sociedade brasileira estava mobilizada o suficiente para fazer com que nem Dilma, nem Temer continuassem fazendo mal ao Brasil. Eu acreditava nisso. E eu continuo acreditando na sociedade. Imagine quando eu era minoria lá no meu estado do Acre: você acha que eu ia desistir de continuar defendendo os índios só porque alguém ficava dizendo que a gente não ia conseguir demarcar as terras? Você acha que eu ia desistir de ficar lutando para ter uma representação política só porque alguns ficavam dizendo que iam fazer isso ou aquilo outro? Não! Eu acredito nos meus princípios, trabalho por eles, acredito na sociedade, não fico nessa ideia, que muitos têm, de que quando é erro da esquerda, passa a mão na cabeça; quando é erro da direita, aí você condena. Ou a direita: quando é erro da direita, eles passam a mão na cabeça; quando é da esquerda, condenam. Eu não tenho dois pesos e duas medidas. Nem Dilma e nem Temer, o melhor caminho era cassar a chapa, convocar uma nova eleição – e, inclusive, o próprio Partido dos Trabalhadores poderia participar.

‘Eu venho pagando um preço muito alto. Talvez a agressão que eu sofri em 2014 só tenha sido feita porque eu sou mulher.’

Um dos primeiros atos do Temer como presidente foi anunciar seu gabinete que incluía só homens brancos. E você tem uma das histórias mais inspiradoras de qualquer político, de qualquer país – tô falando isso não com palavras vazias, mas com muita sinceridade, muita admiração – então, gostaria de saber como você reagiu quando viu esse gabinete só com homens brancos? E, se você se tornar presidente, quais compromissos específicos você vai assumir para ter diversidade no seu governo?

Era uma cena muito retrógrada. Apenas homens. Mas, se a gente for pensar direito, olha o vice que a Dilma tinha. Olha a pessoa que a ajudou a ganhar a presidência da República, que ela colocou na sua linha sucessória, alguém que não considerou a contribuição das mulheres em nenhum momento. Eu, se for eleita, quero, sim, a contribuição das mulheres. As mulheres são mais da metade da população brasileira. É muito difícil ser mulher e fazer política nesse país. Eu venho pagando um preço muito alto. Eu fico verificando que talvez a agressão que eu sofri em 2014 só tenha sido feita porque eu sou mulher. Eu não vi o Aécio ser desconstruído. Eu não vi nenhuma outra pessoa…

Você acha que a Dilma sofreu por ser mulher também?

Não é a mesma coisa. Porque a agressão contra mim foi avalizada pela Dilma. Foi a Dilma que avalizou o seu marqueteiro, a sua equipe de campanha a mentir, a me agredir, a desconstruir a minha biografia…

Ela não sofreu por ser mulher?

Com certeza sofre, toda as mulheres sofrem o preconceito. O estranho é ver uma mulher patrocinar preconceito. O estranho é ver uma mulher mentir a respeito de alguém, que sabia que eu não sou uma pessoa que defende os interesses dos banqueiros em prejuízo dos trabalhadores. Isso é que é triste.

Candidata, por causa da liderança do Bolsonaro nas pesquisas, tem muitas pessoas na esquerda e no centro que têm medo de um segundo turno entre Alckmin e Bolsonaro. Então eles querem se unir a um candidato para evitar isso, e as duas opções óbvias, segundo as pesquisas, são você e Ciro. O argumento do Ciro é que ele está na política há 40 anos sem escândalo nenhum de corrupção, exatamente como você, mas que ele mostrou que ele pode liderar, porque ele foi governador de um estado grande, prefeito de uma capital. Então qual é o seu argumento para que as pessoas que querem impedir o segundo turno entre Bolsonaro e Alckmin se unam a você em vez do Ciro?

Eu não quero me contrapor às pessoas. Eu quero que as pessoas se unam em torno da melhor proposta. Essa é a minha política. Eu quero que as pessoas votem em mim, porque elas querem ver todas as crianças na escola, que as crianças possam ter uma creche de 0 a 4 anos de idade, que a gente possa desenvolver a economia sem destruir o nosso meio ambiente. Eu quero que as pessoas votem em mim, porque eu tenho uma visão de desenvolvimento para o século 21, em que a gente usa com sabedoria os recursos naturais, produz energia limpa, renovável e segura, com o uso do vento, com do sol, com da biomassa, porque eu vou gerar muitos empregos com o turismo, com o turismo sustentável.

Marina Silva em 1994, na vitoriosa campanha para o Senado no Acre. Na época, a revista Veja a chamou de “fada esquerdista”.

Foto: Wikimedia Commons

Sobre educação e crianças. A escola é o lugar para discutir gênero, sexualidade, homofobia e a igualdade de todas as formas de família?

A escola é um espaço onde se deve educar as crianças para o respeito à diferença. É um lugar onde a gente aprende a conviver uns com os outros, a conviver com a natureza e a conviver com a gente mesmo. Isso em parte a gente aprende no ambiente parental, na comunidade. Mas a escola também tem uma contribuição importante em relação a essas questões. A escola não pode ser um espaço de proselitismo, nem religioso, nem político, nem ideológico ou de qualquer natureza.

Mas para discutir igualdade de gênero…

Para discutir igualdade, respeito, combate a qualquer forma de discriminação…

Inclusive homofobia.

Com certeza. Homofobia não deve ser algo que deva ser praticado. Uma pessoa não deve ser discriminada por ser gay. Uma pessoa não pode ser discriminada por ser negra. Uma pessoa não pode ser discriminada por ser índia, por ser mulher. Não deve ser discriminada por nada, o que nos une é a condição humana. Nessa base a gente pode conviver; nessa base a gente pode se respeitar, independentemente da cor, da religião ou da orientação sexual, e a escola ajuda sim a gente a ter essa forma de convivência pacífica, respeitosa, a aprender a ser igual nas nossas diferenças.

‘Eu sou contra o aborto por convicção filosófica e religiosa. Mas o Estado é laico.’

Tem uma bancada muito poderosa que é a evangélica, a chamada Bancada da Bíblia, conhecida por basear suas posições políticas na religião. Você, ainda que seja abertamente evangélica, não é muito identificada com essa bancada. Então, como você vê a relação entre religião e política, e quais as diferenças entre você e essa Bancada da Bíblia?

Eu não participei em nenhum momento da bancada evangélica. Quando eu era católica, nunca articulei nenhuma bancada católica – e no meu primeiro mandato eu ainda era católica. E, como evangélica, nunca participei da bancada evangélica, porque acho que nós devemos, quando ganhamos um mandato, trabalhar para todas as pessoas, independentemente do credo, de qualquer que seja a condição das pessoas. E eu não costumo misturar política com religião, ainda que eu tenha e professe a minha fé defenda os valores que tenho abertamente, para que todas as pessoas possam fazer suas escolhas sabendo exatamente o que eu penso.

Diferentemente de certos políticos que, quando estão com os evangélicos, fazem um discurso para os evangélicos; e quando estão com a esquerda fazem outro discurso; quando estão com os trabalhadores fazem um discurso; quando estão com os empresários fazem outro discurso. Eu faço sempre o mesmo discurso. Eu sou contra o aborto por convicção filosófica, por convicção religiosa. Mas o Estado é laico, e é por isso que eu tenho dito: se for para ampliar para além das formas que já existem de aborto, que não sejam apenas os 513 deputados, que a gente faça um plebiscito. É assim que em vários países do mundo, em vários estados nos Estados Unidos são feitos os debates.

Marina Silva (C) delivers a speech, during the launching of her candidacy for the presidency of Brazil, ahead of October's national election, during the national convention of the REDE Party, in Brasilia, on August 04, 2018. - Brazil's presidential election, starting with a first round on October 7, is seen as the most unpredictable in decades. The center-leftist Silva, who was environment minister of former president Lula da Silva, made two strong bids for the presidency in 2010 and 2014, so she is hardly unknown. Polls show her close to right-winger Bolsonaro and possibly beating him in a second round runoff. (Photo by Sergio LIMA / AFP) (Photo credit should read SERGIO LIMA/AFP/Getty Images)

Marina Silva no lançamento da campanha à presidência em agosto deste ano.

Foto: Sergio Lima/AFP/Getty Images

Quero perguntar sobre o aborto, se eu puder. Porque também não é só uma questão moral, mas também um problema de saúde pública, e muitas mulheres que necessitam de um aborto correm risco de vida porque são forçadas a fazer isso ilegalmente. E esse risco ameaça principalmente as mulheres negras e pobres. Como você pretende proteger essa população?

Trabalhando para que nenhuma mulher tenha que enfrentar uma gravidez indesejada. Fortalecendo cada vez mais as políticas públicas de planejamento familiar. E quando uma mulher é levada a uma situação extrema de aborto, essa mulher tem que ser respeitada, tem que ser acolhida. Mas nós devemos evitar que uma mulher tenha que passar pelo trauma de ter uma gravidez indesejada e que tenha que lançar mão de um ato extremo que é o ato do aborto. Eu não imagino que nenhuma pessoa defende o aborto como método contraceptivo. Então é melhor que a gente se una naquilo que todos nós estamos de acordo: que nenhuma mulher tenha que ter uma gravidez indesejada. Mas, se uma mulher fizer um aborto, ela não precisa ser presa, ela precisa ser acolhida, respeitada, tratada do ponto de vista da saúde, e, muitas vezes, das suas fragilidades emocionais. E se for para ampliar para além do que já existe, que é no caso de risco da mãe, no caso de crianças que podem nascer sem o cérebro, ou no caso de estupro, que se faça isso por um plebiscito.

Quem convoca o plebiscito é Congresso. Eu vou trabalhar para que as mulheres sejam atendidas, as mulheres sejam respeitadas, que o planejamento familiar funcione, que as nossas jovens e adolescentes e os nossos adolescentes – porque não são apenas as mulheres que devem ser orientadas – não tenham que passar por uma gravidez indesejada.

Última pergunta: o presidente da República é responsável pela política externa, e essa eleição tem muito pouca discussão sobre isso, então gostaria de saber sobre um debate muito importante para evangélicos e também para o movimento do Bolsonaro, que é o apoio a Israel. Gostaria de saber sua posição sobre isso, se o Brasil – e também o mundo – deve agir mais para proteger os direitos dos palestinos ou para apoiar o governo de Israel?

Para que se tenha uma política externa equilibrada, de respeito à soberania dos povos, de ajudar que o conflito seja resolvido da melhor forma possível. Nós não vamos conseguir resolver o conflito se não tivermos uma grande capacidade de mediação, de entender que o povo palestino tem seus direitos, que o povo israelense tem seus direitos e que nós não devemos a priori focar apenas em um dos lados. Os dois lados devem encontrar uma saída que seja pacífica. É isso que orienta a boa diplomacia, as relações internacionais.

Então, candidata, mais uma vez, muito obrigado pela entrevista.

Eu é que agradeço a você pela possibilidade de dialogar sobre temas que são tão relevantes, e tão instigantes pra política brasileira.

Muito obrigado.

Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here