Home Brazil A aula de racismo e machismo à brasileira do secretário de Educação...

A aula de racismo e machismo à brasileira do secretário de Educação do Rio

SHARE

“Pessoal, eu sei que fui derrotado, sei que sou minoria da minoria, sei que vou apanhar de novo”.

Assim começa o texto sobre “racialização” que César Benjamin, secretário de Educação do Rio de Janeiro, publicou em sua página de Facebook no último dia 20 de novembro, dia da Consciência Negra. Ali, sentindo que enfrentaria discordância, começa a arquitetar o plano de vitimização, apesar de ter se exposto por livre e espontânea vontade. No dia 22, ele coloca a segunda metade do plano em ação: “Eu não tinha a menor ideia de que estava sendo linchado por aqui, com a indigência intelectual e a desonestidade típica das manadas.” [grifos da colunista]

Some products that you might like

Encontre o primeiro erro: onde está a desonestidade?

No post do dia 20, César Benjamin chama de idiotices a experiência e a fala da atriz Taís Araújo:

“Qualquer idiotice racial prospera. A última delas é uma linda e cheirosa atriz global dizer que as pessoas mudam de calçada quando enxergam o filho dela, que também deve ser lindo e cheiroso.”

Há ainda desonestidade  na distorção que Benjamin faz da fala de Taís Araújo – que ele não teve vergonha de admitir que não assistiu. Aos 2’20’’ de sua palestra em São Paulo, eis o que ela de fato diz: “No Brasil, a cor do meu filho, é a cor que faz com que as pessoas mudem de calçada, escondam suas bolsas e que blindem seus carros” [grifo da colunista].

E atravessar a calçada ao ver alguém que traz na pele a cor do filho da atriz Taís Araújo, como pode ser comprovado pela experiência pessoal de quase todos os negros, não é uma ofensa à nossa ideia de humanidade?

O mais interessante é que o que ela diz em seguida descreve exatamente o comportamento de César Benjamim: “A vida dele [do filho] só não vai ser mais difícil que a da minha filha. Com a Maria Antônia, eu me pego pensando o tempo inteiro o quanto nós, mulheres, somos criadas para agradar , o quanto nos silenciam e o quanto nos desqualificam ”.

Ele consegue ser racista e machista ao destacar, em seu texto, apenas as características de Taís Araújo que lhe são agradáveis aos sentido [“linda e cheirosa”], enquanto chama de idiotice o que ela diz baseada não apenas em sua experiência de mãe, mas também de mulher negra ativa na e estudiosa da causa anti-racista [“qualquer idiotice racial prospera”].

Qualquer pessoa com um mínimo de decência e honestidade reconheceria o erro e pediria desculpas. Os covardes e donos de uma humanidade frágil demais para lidar com os próprios erros apenas o apagam, escamoteiam. Tentam se esconder atrás de histórico de edição de post de Facebook que, de resto, pode ser facilmente visualizada em sua página, com data de 24 de novembro.

“Dizer que os brasileiros mudam de calçada quando veem uma criança negra na rua é uma ofensa ao nosso país”, diz César Benjamin. E atravessar a calçada ao ver alguém que traz na pele a cor do filho da atriz Taís Araújo, como pode ser comprovado pela experiência pessoal de quase todos os negros, não é uma ofensa à nossa ideia de humanidade? Expor uma criança de 7 anos, como fez César Benjamin, para atacar sua mãe e defender um ponto de vista baseado no achismo, não é uma ofensa ao que podemos entender como decência e civilidade? Vale a pena dar uma olhada nos comentários dos posts de César Benjamin para conhecer os argumentos das pessoas que ele chama de “manada linchadora e desonesta”.Tratar assim quem dele discorda, com certeza, diz muito mais sobre o caráter do secretário do que sobre as pessoas que ele agride.

Para César Benjamin, reconhecer nosso racismo é ofender o país e, consequentemente, sermos menos patriotas. Que fragilidade é esta que impede que ainda sejamos “povo brasileiro” mesmo reconhecendo nossas mazelas, nossos problemas, nossos preconceitos, nossas idiossincrasias? Que fragilidade é esta que não nos permite repensar, reconstruir, assumir os próprios erros e defeitos e, mesmo assim, continuarmos sendo o que somos? Que necessidade é esta de, ignorando problemas graves que afetam a maior parcela da nossa população, continuar varrendo os problemas para debaixo do tapete para impressionar as visitas com um ambiente falsamente limpo e cheiroso?

No Brasil, branco só é racializado quando querem dizer que ele sofreu esta coisa sem fundamento algum chamada de “racismo reverso”.

“Quero que as raças se fodam”, diz César Benjamin, que ainda trabalha com o conceito biológico de raça, ignorando todos os estudos de pelo menos um século. O secretário diz: “Me poupem de dizer que ‘os negros estão nas prisões’. Isso vale para falar bonito para a classe média. Vivi bastante tempo no meio da massa carcerária de Bangu, como preso comum. Os brancos, como eu, eram pequena minoria. Os negros também eram pequena minoria. A grande maioria era de gente morena, com todas as gradações do nosso povo”, ignorando que a categoria “negros” é formada por pretos e pardos (ou “morenos”, como ele chama), o que os faz maioria, sim, contrariando sua tese.

Dias após o texto no Facebook, em entrevista ao Estadão, o secretário reiterou o teor de suas falas, que classificou como autoexplicativas. Como se o conceito de autoexplicação englobasse também os de verdade, precisão e evidência, a despeito de pesquisas, dados, historicidade e experiência alheia. Muito do que ele diz é fruto da já citada ignorância, um tanto da desonestidade e outro tanto da arrogância dos homens que não estão acostumados a ter suas falas confrontadas.

Com uma breve busca no Google, podemos trucar esta afirmação: “Hoje leio nos jornais, rotineiramente, expressões como ‘o escritor branco Fulano de Tal’, ‘o cineasta negro Beltrano’, ‘o professor Cicrano, branco’”. Seria interessante pedir que ele mostrasse a marcação racial de profissionais brancos, apresentando pelo menos um ou dois links que, mesmo estando longe do “rotineiramente”, seriam exceções à regra de brancos serem tratados como indivíduos neutros a partir dos quais os outros são racializados.

No Brasil, branco só é racializado quando querem dizer que ele sofreu esta coisa sem fundamento algum chamada de “racismo reverso”.

A colonização racial yankee, segundo César Benjamin

No post de Facebook, o onipresente César Benjamin diz que “viu” o Departamento de Estado dos Estados Unidos criar a racialização do Brasil. No jornal, ele explica que é porque, na década de 1990, esteve presente em uma reunião na Fundação Ford, segundo ele, “um braço do Departamento de Estado americano”, acompanhando amigos que queriam financiamento para um projeto de educação em áreas rurais. De acordo com o relato do hoje secretário de Educação do Rio, os funcionários da Fundação “só financiariam projetos que destacassem a questão racial no Brasil”, para “provar que o Brasil é racista”. Seria interessante investigar esta história, ouvir os funcionários da Ford, saber de que programa de financiamento se tratava, para que área era voltado.

Assim, na visão de César Benjamin, “os americanos transformaram essa nossa grande virtude [a de não sermos racistas] em hipocrisia. Adestraram uma geração de militantes que detesta o Brasil.” É bastante comum pessoas autocentradas acreditarem que alguma coisa só passa a existir quando tomam conhecimento dela. Como explicar, então, a necessidade da  lei Afonso Arinos, quase 40 anos da reunião com a Fundação Ford que nos transformou em  racistas hipócritas odiadores do Brasil?

O deputado Afonso Arinos foi motivado pela humilhação sofrida por seu motorista negro, acompanhado da esposa e dos filhos,  foi proibido de entrar em uma confeitaria no Rio de Janeiro. Mas a lei ganhou maior adesão por “culpa” de uma americana, a antropóloga, pesquisadora, coreógrafa e bailarina Katherine Dunham, que veio se apresentar no Brasil e, com sua companhia de dançarinos negros, foi impedida de se hospedar no Hotel Esplanada, em São Paulo, que não aceitava negros.

Com certeza, a partir do raciocínio de César Benjamin, estavam todos mancomunados com o Departamento de Estado dos EUA – o hotel inclusive – para denegrir nossa imagem e instalar o racismo entre nós, levantando a bola que seria cortada pela Ford Foundation 40 anos depois.

César Benjamin também parece desconhecer a enorme resistência dos intelectuais, dos negros e das instituições estadunidenses em entenderem o Brasil como um país racista. A noção de raça que eles tinham era baseada no “one drop rule”, segundo a qual indivíduos que tivessem qualquer ascendência não europeia eram considerados não brancos . E não só acreditavam na democracia racial brasileira através da ideia de mestiçagem, mas também queriam estudá-la como solução para a segregação e o racismo à americana.

Foi preciso um trabalho intenso dos intelectuais negros brasileiros, e de alguns negros estadunidenses sofrendo racismo por aqui, para que começassem a entender o “racismo à brasileira”. Por aqui, a segregação não precisava de leis oficiais. Se o secretário de Educação quiser estudar um pouco sobre isso, está tudo explicadinho no livro “African-American Reflections on Brazil’s Racial Paradise” (“Reflexões afroamericanas sobre o paraíso racial brasileiro”, em tradução livre), de David Hellwig.

A histeria racial que inventa racismo nas escolas

Há várias outras inverdades ou manipulações da verdade nas respostas do secretário de Educação, e seria interessante que jornalistas começassem a checar o que pessoas como ele dizem para deseducar e inflamar suas redes de influência.

Cito apenas mais uma, que me parece  das mais graves, porque tem o potencial de afetar todo um sistema de educação sob sua responsabilidade. Perguntado sobre que tipo de ação ele tem tomado para evitar a discriminação nas escolas, Benjamin responde:

“Pelo visto, você foi capturada pela histeria racial, pois sua pergunta pressupõe que há discriminação em nossa rede, que você sequer conhece. Afinal, o Brasil é assim, não é? Lamento decepcioná-la, mas não conheço nenhum caso que possa confirmar isso. Nossa rede é um microcosmo do Brasil, profundamente miscigenada. Se aparecer racismo, ele será tratado como deve, como uma burrice e um crime.”

A escola é um dos lugares nos quais a criança negra mais sofre racismo, como mostram, por exemplo, dois livros de Eliane Cavalleiro: “Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola” e “Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantill. Talvez o secretário devesse começar seu letramento racial por aí, em vez de atacar jornalistas e tentar nos vender a rede escolar da cidade do Rio de Janeiro como uma ilha de democracia racial.

É bastante grave, por exemplo, a situação de crianças adeptas das religiões de matriz africana na escola pública brasileira. Neste artigo podemos ver, por exemplo, um caso emblemático acontecido – surpresa! – na rede municipal de ensino do Rio, em 2014. A diretora que impediu o aluno de frequentar a escola usando contas africanas foi inocentada, seguindo uma tradição do judiciário brasileiro de não condenar racismo. Isto dificulta sabermos a verdadeira dimensão do problema, mas seria também importante apurar denúncias como esta, da página 383:

[blockquote] “Eloisa, professora de Biologia, afirma que a Secretaria Municipal de Educação proíbe a divulgação de atitudes de intolerância nas escolas da rede e que foi proibida pela direção da escola em que trabalha de afixar cartazes sobre a caminhada contra a intolerância religiosa . (…) Maria das Graças, professora de Educação Artística, destaca a falta de respeito das escolas em relação às necessidades dos estudantes praticantes das religiões afro-brasileiras, caracterizadas em frases como ‘Quem mandou ele(a) fazer o santo?’.”

Seria interessante saber também se toda a rede municipal de ensino do Rio de Janeiro obedece à Lei 10.639, que prevê a inserção nos currículos escolares de história e cultura afrobrasileira e indígena, ou se o secretário acha que isto também faz parte do plano do departamento de Estado dos EUA para racializar o Brasil, acabando com a alma do “povo brasileiro”.

Meme ou crime?

A ignorância de Cesar Benjamin deu origem a uma série de memes ridicularizando a fala de Taís Araújo. Um dos mais graves mostra uma foto dela com o filho, enquanto outra criança sai correndo dos dois, e a seguinte frase “Quando você percebe que é o filho da Taís Araújo na calçada”. Em outro, um homem saltando de um avião e os dizeres: “Passageiro pula de avião ao constatar que Taís Araújo estava a bordo”. Estas idiotices foram largamente compartilhadas nas redes sociais, provavelmente por pessoas que são capazes de pedir a interdição de museus visando a proteção de crianças e adolescentes, mas não se importam em expor uma criança negra de 7 anos de idade.

Um dos divulgadores das imagens foi Laerte Rímoli, atual presidente EBC, empresa estatal de comunicações. Rímoli foi colocado no cargo através de uma Medida Provisória do presidente Temer, que também ocupa o cargo sem ter sido eleito, e um de seus primeiros atos foi extinguir o Conselho Curador, que “garantia a participação da sociedade na construção editorial da Empresa, colocando em xeque o compromisso com a diversidade que é natural da comunicação pública”, de acordo com nota emitida pela Comissão de Empregados da própria EBC e de sindicatos de jornalistas de SP, RJ e DF. Os funcionários da empresa estão em greve – situação que, junto com as ofensas a Taís Araújo e seu filho, levou o ator Pedro Cardoso a fazer um protesto ao vivo em um dos mais longevos programas da TV Brasil, o Sem Censura.

Diante da repercussão negativa, Laerte Rímoli apagou o post e emitiu a seguinte nota: “Peço desculpas à atriz Taís Araújo e sua família por ter compartilhado um post inadequado em minha timeline”. Não é apenas inadequado, é incompatível com alguém que ocupa o cargo que ele ocupa, com salário pago com impostos de todos os brasileiros que ele ofendeu; e é inaceitável que o faça, como o fez, durante o expediente.

É interessante salientar que Rímoli compartilhou o post a partir da timeline de outro funcionário público, Luciano Trigo, especialista em Regulação da ANCINE – Agência Nacional de Cinema. A Agência acaba de constituir sua Comissão de Gênero, Raça e Diversidade. Talvez, uma iniciativa importante e urgente para a Comissão seja começar um trabalho de educação racial para seus próprios funcionários, principalmente quando fazem parte de comissões de seleção de editais lançados pela instituição.

Luciano Trigo escreveu um artigo sobre o caso da garota exposta ao artista nu, no museu:

 “Uma menina de 6 ou 7 anos atravessa uma fase delicada de formação da personalidade. Uma menina de seis anos é vulnerável psicológica e emocionalmente. Uma menina de 6 ou 7 anos é só uma criança. Em um mundo repleto de adultos doentes, uma criança precisa de proteção. É obrigação legal dos adultos, não um favor, garantir essa proteção.” (…) “Não importa discutir se isso é arte. Não faz a menor diferença. Uma criança foi exposta a uma situação constrangedora (…). Qualquer pessoa que tenha filhos sabe como uma criança nessa idade é frágil. (…) Não importa discutir, portanto, se a performance foi uma obra de arte: importa discutir se foi cometido um crime.”

E no post compartilhado por Luciano Trigo, que também expõe uma criança de 7 anos, vale a pena discutir se foi meme ou se foi crime? O filho de Taís Araújo, que também é uma criança de 7 anos anos, não merece a obrigação de proteção por parte de adultos? Se não, qual o critério seletivo adotado por Luciano Trigo: gênero ou raça? “Povo brasileiro”, hipocrisia é seu nome.

Foto em destaque: Taís Araújo durante sua fala no TEDx São Paulo. Alberto Cabelle/Divulgação

Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here